sábado, 27 de fevereiro de 2016

Prece!

Debruçada na varanda do meu ser
Olhei te demoradamente ...
Como que em prece!
Numa linguagem inaudível ( Silenciosamente )
Como a querer apartar e privar momento intimo só meu e teu...
Falei te das minhas incertezas, e de todas as minhas fragilidades ,
Do meu medo e das dúvidas .
Busco certezas , procuro te
E tu !?
Imponente
Bramindo , gemendo ,
debatendo te , prisioneiro da Lua.
Fazendo as marés...
Mas,
Convergias nesse meu sentir...
Latejavas junto com o meu coração
este sofrimento de Mulher...
Aida Gaspar
27 de Fevereiro de 2016